A inevitável


Quando tu chegaras oh, Arcanjo da morte? A minha vida a revê-la esperas, pois sabes o quanto tu és forte. Repelir-te é impossível sabendo que tu és fatal e que sobre ti nunca há uma resposta plausível. Apenas sei que tua chegada será letal. Oh, destino cruel! Por que tinhas que ser assim? Oh, coce e amarga dúvida. Por que tenho que ser a isso tão fiel?  Será que esse tormento não terá fim? Como um último desejo, peso apenas que seja súbita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário