Sob a lua de sexta

Era de madrugada, quase 04:00 da manhã. E lá estava eu, andando sozinho pela rua, me fazendo diversos questionamentos. Era como se uma conversa silenciosa estivesse soando pela noite fria e úmida. Não necessariamente uma conversa com alguém, apenas eu e meus pensamentos. Não estava triste, mas também não estava feliz. Queria apenas andar, pensar.  A cada passo, uma lembrança. A cada sorriso, uma lágrima. Peço desculpa caro leitor (a). Não há mais por que detalhar esta história.  No fim das contas, a noite acabou com uma ressaca na beira da praça.

3 comentários:

  1. estranho.... já vivenciei muito isso

    beijos

    ResponderExcluir
  2. hum meu anjo... já vivenciei isso, momentos só nosso de reflexão....beijos

    ResponderExcluir
  3. Nossa cara, seu blog é LINDO. Realmente não tenho palavras meu, você escreve muito bem. Parabéns cara (:

    ResponderExcluir